A escola isolada: contribuições e processos de escolarização em Novo Hamburgo, RS (1940-1952)

José Edimar de Souza

Resumo


Objetivo é analisar como a escola isolada contribuiu para os processos de escolarização em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, a partir de memórias de professores e alunos de duas escolas isoladas, do bairro Lomba Grande. Os aportes teóricos sustentam-se na história cultural a partir de Roger Chartier e Escolano Benito, bem como se vale da metodologia da história oral. Ao reconstruir o cotidiano das aulas nessa região rural, a partir da análise das memórias foi possível compreender um significativo percurso da história do ensino pública municipal rural desse município. Nesse sentido, a forma de acesso a escolarização formal, entre 1940-1952, deu-se prioritariamente em escolas isoladas. A presença de escola neste lugar cumpriu seu propósito de ensinar ler, escrever, contar, além de colaborar para imprimir valores e nesses sujeitos. Estes aspectos, analisados coletivamente, sugerem a constituição de identidades de pertencimento evidenciada nas memórias sobre culturas escolares.


Palavras-chave


Escola Isolada. Memórias. Ensino Rural.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMANACK Escolar do Rio Grande do Sul. Diretoria Geral da Instrucção Pública. Edição Official. Livraria Selbach de J. R. da Fonseca & Cia. Porto Alegre, 1935. (Arquivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul).

ALMEIDA, Dóris Bittencourt. Memórias da rural: narrativas da experiência educativa de uma escola normal rural pública (1950-1960). 2007. 272 f. Tese (Doutorado em Educação) -- Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2007.

BASTOS, Maria Helena Camara. A revista do Ensino do Rio Grande do Sul (1939-1942). O Novo e o Nacional em revista. Pelotas: Seiva, 2005.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação. Tradução de Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto, PT: Editora Porto, 1994.

BORNE, Dominique. Comunidade de memória e rigor crítico. In: BOUTIER, Jean;

BOTO, Carlota. A liturgia da escola moderna: saberes, valores, atitudes e exemplos. História da Educação, ASPHE/UFRGS, Porto Alegre/RS, v. 18, n. 43,p. 183-201, set./dez. 2014. Disponível em: < http://seer.ufrgs.br/index.php/asphe/article/view/45765>. Acesso em: 12 nov. 2014.

BRASIL. Decreto-Lei nº. 8529, de 2 de janeiro de 1946. Lei Orgânica do Ensino Primário. In: RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Rio Grande do Sul. Boletim do Centro de Pesquisas e Orientação Educacionais, (CPOE). Rio Grande do Sul. Brasil, Porto Alegre, 1947. p. 139 – 159.

BURKE, Peter. Hibridismo cultural. 4. ed. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2013

CAMBI, Franco. História da Pedagogia. 1 Reimpressão. Tradução de Álvaro Lorencini. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1 artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. 17. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

CHARTIER, Roger. A História Cultural entre práticas e representações. Portugal: DIFEL – Difusão Editorial S.A., 1990.

CUNHA, Maria Teresa Santos. Preces, cânticos, louvores: um ritmo para a construção do calendário escolar. In: FERNANDES, Rogério; MIGNOT, Ana Chrystina Venancio (Org.). O Tempo na escola. Profedições: Porto, PT, 2008. p. 139-151.

CUNHA, Maria Teresa Santos. Folhas voláteis, papéis manuscritos: o pelotão de saúde no jornal infantil Pétalas (Colégio Coração de Jesus - Florianópolis/SC, 1945-1952). Hist. Educ. ASPHE/UFRGS, Porto Alegre, v. 17, n.40, p. 251-266, maio/ago.2013. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2014.

DREHER, Martin Norberto. Breve história do ensino privado gaúcho. São Leopoldo: Oikos, 2008.

ESCOLANO BENITO, Augustín. Arquitetura como programa. Espaço- escola e currículo. In: FRAGO, Antonio Viñao; ESCOLANO, Augustín. Currículo, espaço e subjetividade: arquitetura como programa. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

ESCOLANO BENITO, Augustín. Arqueologia y rituales de la escuela. In: MOGARRO, Maria João (Coord.). Educação e patrimônio cultural: escolas e práticas, 2015, Edições Colibri, Lisboa, p. 45-60.

FISCHER, Beatriz Terezinha Daudt. A professora primária nos impressos pedagógicos (de 1950 a 1970). In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Camara (Org.). História e memórias da educação no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005b. v. 2: século XIX,p. 324-335.

FREITAS, Marcos Cezar de; BICCAS, Maurilane de Souza. História social da educação no Brasil (1926-1996). São Paulo: Cortez, 2009. (Biblioteca básica da história da educação brasileira, v. 3).

GERTZ, René. A câmara de vereadores de São Leopoldo de 1846 a 1937. In: SILVA, Haike Roselane Kleber da; HARRES, Marluza Marques. A história da Câmara na história. São Leopoldo: Oikos, 2006, p. 56-71.

GRAZZIOTIN, Luciane Sgarbi Santos; GASTAUD, Carla. Nos traços de caligrafia, indícios de um tempo escolar. História da Educação, ASPHE/FaE/UFPel, Pelotas, v. 14, n. 30 p. 207-226, jan./abr 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2012

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

KREUTZ, Lúcio. Migrações e culturas em diálogo. In: FELGUEIRAS, Margarida Louro; VIEIRA, Carlos Eduardo. Cultura escolar, migrações e cidadania. Porto: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação e autores, 2010. p. 49- 74.

MIGNOT, Ana Chrystina Venancio. Antes da escrita: uma papelaria na produção e circulação de cadernos escolares. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venancio (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008. p. 69-90.

REIS, Rosinete Maria dos. A escola isolada à meia-luz (1891/1927). 2011. 310f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo,USP, São Paulo, SP, 2011.

RIO GRANDE DO SUL. Constituições Sul Rio-grandenses (1843-1947). Porto Alegre: Imprensa Oficial, 1963. Edição comemorativa do 16º aniversário da promulgação da Constituição do Estado. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2014.

SÃO LEOPOLDO. Relatório de 1940 apresentado ao Exmo. Sr. Cel. Osvaldo Cordeiro de Farias. Dd. Interventor Federal pelo Prefeito Theodomiro Porto da Fonseca em junho de 1941. São Leopoldo: Oficinas Gráficas Rotermund & Co, 1941. (Arquivo do Museu Histórico Visconde de São Leopoldo).

VIDAL, Diana Gonçalves. Michel de Certeau e a difícil arte de fazer história das práticas. In: FARIA FILHO, Luciano Mendes de (Org.). Pensadores sociais e história da educação.3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 265-292.

VIÑAO FRAGO, Antonio. La escuela y la escolaridad como objetos históricos. Facetas y problemas de la historia de la educación.História da Educação, ASPHE/FaE/UFPel, Pelotas, v. 12, n. 25, p. 9-54, maio/ago. 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2013.

WERLE, Flávia Obino Corrêa. O nacional e o local: ingerência e permeabilidade na educação brasileira. Bragança Paulista: Ed. Universidade São Francisco, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/serie-estudos.v24i50.1131

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2318-1982 
ISSN impresso: 1414-5138 (até n.34, jul./dez.2012)

 

 


Indexada em: