Educação Infantil e a Base Nacional Comum Curricular: Concepções de criança, desenvolvimento e currículo

Ana Maria Esteves Bortolanza, Renata Teixeira Junqueira Freire

Resumo


Este estudo resulta de uma pesquisa bibliográfica e documental sobre as concepções de criança, de desenvolvimento infantil e de currículo presentes na Base Nacional Comum Curricular da Educação Infantil – BNCC (2017). Analisa, principalmente, os eixos curriculares denominados na BNCC como Campo de Experiências buscando compreender as bases teóricas que norteiam a organização do documento, a partir das contribuições de Vygotsky sobre desenvolvimento infantil num processo de apropriação das qualidades humanas por meio da atividade, portanto o desenvolvimento da singularidade humana se dá a partir das interações sociais. Estudos de Kramer, Kishimoto e de outros autores constituem as referências bibliográficas desta pesquisa. Constata-se que a BNCC apresenta uma concepção de criança como sujeito histórico-cultural, no entanto o documento contém fragilidades e requer um aprofundamento das áreas de conhecimento identificadas como Campos de Experiências. Aponta-se como fundamental a necessidade de estudos e discussões sobre as concepções de criança e de desenvolvimento infantil para a organização curricular e para a formação de professores que atuam ou que pretendem atuar na Educação Infantil.


Palavras-chave


Infância; Educação Infantil; Base Nacional Curricular Comum.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, M. C. S. et. al. Práticas cotidianas na educação infantil – bases para a reflexão sobre as orientações curriculares para a educação infantil. Brasília: MEC/SEB/UFRG, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: . Acesso em 08 set. 2017.

KISHIMOTO, T. M. Currículo de educação infantil: creches e pré-escolas. Significado do termo currículo, currículo de educação infantil: critérios de qualidade e instrumentos de implementação. Texto encomendado pela coordenação geral de Educação Infantil do MEC. 1994 (mimeo).

KRAMER, S. Propostas pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica. Educ. Soc., Campinas, v. 18, n. 60, p. 15-35, dez. 1997 . Disponível em: . Acesso em 15 mai. 2002.

KRAMER, S. Propostas pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica. In: MOREIRA, A. F. (org). Currículo: Políticas e Práticas em Educação. Campinas: Papirus: 2003. p. 165-183.

LOPES, D. M. de C.; SOBRAL, E. L. S. Debates em educação – educação infantil e currículo: políticas e práticas. Debates em Educação. Maceió, vol. 6, n°11, jan. jun. 2014.

OLIVEIRA, Z. de M. R. O currículo na educação infantil: o que propõe as novas diretrizes nacionais? Anais do I Seminário Nacional: Currículo em Movimento – Perspectivas Atuais. Belo Horizonte, nov. 2010.

PALANGANA, I. C. A função da linguagem na formação da consciência; reflexões. Cadernos do Cedes, v. 20, n. 35. Campinas, 1995.

SIRGADO, A. P. O conceito de mediação semiótica em Vygotsky e seu papel na explicação do psiquismo humano. Caderno Cedes, Campinas, n. 24, In: Pensamento e linguagem: estudos na perspectiva da psicologia soviética. Campinas: Cedes, 2000, 32-43 p.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 5 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/serie-estudos.v23i49.1138

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2318-1982
ISSN impresso: 1414-5138 (até n.34, jul./dez.2012)

 

Indexada em: