O poder da branquitude e racismo institucional: percepções sobre o acesso à diplomacia brasileira

Ahyas Siss, Viviane da Silva Almeida

Resumo


O Instituto Rio Branco (IRBr), única instituição oficial de formação de diplomatas do Ministério da Relações Exteriores (MRE) brasileiro, tem registrado uma sub-representação de afro-brasileiros e de afro-brasileiras na sua carreira diplomática. Nesse sentido, Oliveira (2011) postula em seus estudos que, até 2010, apenas 0,07% dos diplomatas do IRBr eram afro-brasileiro(a)s, dado este que comprova essa sub-representação de membros desse grupo étnico-racial naquela carreira. Nesse contexto, este artigo, como parte de uma pesquisa mais ampla, buscou investigar os critérios de seleção ao cargo de diplomata, se tais critérios estão permeados pelos racismos pessoal e institucional mediados pela atualização da agenda eugênica no Brasil, bem como as impressões que os diplomatas tanto afro-brasileiros e brancos que ingressam no IRBr possuem sobre a carreira. Numa perspectiva sócio-histórica, foram levantados os enfrentamentos pelos quais os diplomatas tanto afro-brasileiros como brancos têm vivido em suas trajetórias. Trata-se de uma pesquisa fenomenológica, de análise qualitativa, na qual foram utilizados, como procedimentos metodológicos, a análise bibliográfica, a documental, entrevista semiestruturada, questionário aberto e a Análise Crítica do Discurso (ACD). A análise está elucidada nas impressões dos diplomatas sobre a carreira, de suas concepções sobre o racismo institucional e nas experiências que os diplomatas afro-brasileiros têm ao ingressarem na diplomacia.


Palavras-chave


racismo; racismo institucional; afro-brasileiros.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDREWS, G. R. Negros e brancos em São Paulo (1888-1988). Tradução de Magda Lopes. Bauru, SP: EDUSC, 1998.

AZEVEDO, T. As elites de cor: um estudo de ascensão social. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1953.

BENTO, M. A. S. Branquitude e poder – a questão das cotas para negros. In: SANTOS, S. S. (Org.). Ações afirmativas e combate ao racismo nas Américas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. Os herdeiros: os estudantes e a cultura. Tradução de I. R. Valle e N. Valle. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Acesso aos dados dos egressos do IRBr em relação à cor/etnia. Pedido de acesso à informação protocolado sob n. 09200000400201528. Brasília, 2015. Disponível em: http://www.consultaesic.cgu.gov.br/busca/dados/Lists/Pedido/Item/displayifs.aspx?List=0c839f31-47d7-4485-ab65-ab0cee9cf8fe&ID=417031&Web=88cc5f44-8cfe-4964-8ff4-376b5ebb3bef. Acesso em: 30 ago. 2015.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Dominus, 1965. 2 v.

FERNANDES, F. O negro no mundo dos brancos. São Paulo: Difel, 1972.

FOUCAULT, M. Genealogía del racismo. Tradução do francês para o espanhol de Alfredo Tzveibel. Buenos Aires: Editorial Altamira, 1996.

FREYRE, G. Casa grande e senzala. 16. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1987.

HARRIS, M. Patterns of race in the Americas. Nova York: Walker and Company, 1964.

HASENBALG, C. A. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

HASENBALG, C. A.; SILVA, N. V. Relações raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Rio Fundo, 1992.

HENRIQUES, R. Desigualdade racial no Brasil: evolução das condições de vida na década de 90. Rio de Janeiro: IPEA, julho de 2001. (Textos Para Discussão n. 807).

IBGE. Características da população e dos domicílios. Resultados do universo. 2010. Disponível em:

https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/93/cd_2010_caracteristicas_populacao_domicilios.pdf. Acesso em: 17 nov. 2015.

IPEA. Retrato das desigualdades de gênero e raça. 1. ed. Brasília: Ipea, 2008.

LÓPEZ, L. C. Conceito de racismo institucional: aplicações no campo da saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, SP, v. 16, n. 40, p. 121-34, jan./mar. 2012.

MOORE, C. Do marco histórico das políticas públicas de ação afirmativa. In: SANTOS, S. A. (Org.). Ações afirmativas e combate ao racismo nas Américas. Brasília, Ministério da Educação, UNESCO, 2005. (Coleção Educação para Todos, v. 5, p. 307-34).

MOURA, C. P. de. O Instituto Rio Branco e a diplomacia brasileira: um estudo de carreira e socialização. Rio de Janeiro. Editora FGV, 2007.

MUNANGA, K. Superando o racismo na escola. Brasília: MEC/Secad, 2005.

MUNANGA, K. O racismo no mundo contemporâneo. In: OLIVEIRA, I. (Org.). Relações raciais: discussões contemporâneas. Niterói, RJ: Intertexto, 2000.

MUNANGA, K. Teorias sobre o racismo. Niterói, RJ: EDUFF, 1998. (Série Estudos & Pesquisas, n. 4).

MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. 1997. Tese (Livre-Docência) – Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 1997. mimeo.

MUNANGA, K. O anti-racismo no Brasil. In: MUNANGA, K. (Org.). Estratégias e políticas de combate à discriminação racial. São Paulo: Edusp, 1996. p. 79-94.

NASCIMENTO, A. (Org.). O negro revoltado. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

NOGUEIRA, O. Tanto preto quanto branco: estudos de relações raciais. São Paulo: T. A. Queiroz, 1995.

OLIVEIRA, A. P. C. Diplomatas negros (as): ação afirmativa no Instituto Rio Branco e trajetórias de diplomatas (ex) bolsistas. 2011. Dissertação (Mestrado em Estudos Étnicos e Africanos) - Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/8596/1/Ana.pdf

OLIVEIRA, J. L. L. Negros e diplomacia: presença de afrodescendentes no Ministério de Relações Exteriores. Estudo comparado Itamaraty - Departamento de Estado norte-americano. 2011. Dissertação (Mestrado em Diplomacia) - Instituto Rio Branco, Brasília, 2011. [mimeo]

PACE, A. F. Afro-brasileiros e racismo institucional: o papel dos concursos na democratização de acesso aos cargos públicos. Seropédica, RJ: UFRRJ, 2015.

PIERSON, D. Brancos e pretos na Bahia: estudo de contato racial. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1945. v. 241.

RAMOS, A. G. Introdução à sociologia crítica. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995.

ROJO, L. M. A. fronteira interior – análise crítica do discurso: um exemplo sobre “racismo”. In: IÑIGUEZ, L. (Org.). Manual de análise do discurso em Ciências Sociais. Tradução de Vera Lúcia Joscelyne. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

SCHUCMAN, L. V. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. 2012. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-21052012-154521/pt-br.php

SILVA, N. Diferenças raciais de rendimento. In: HASENBALG, C. et al (Org.). Cor e estratificação social. Rio de Janeiro: Contracapa, 1999.

SISS, A. Raça, classe, cotas étnicas, sociais e educação superior brasileira. In: SISS, A.; MONTEIRO, A. (Org.). Educação e etnicidade: diálogos e ressignificações. 1. ed. Rio de Janeiro: Quartet/Edur, 2011.

SISS, A. Afro-brasileiros, cotas e ação afirmativa: razões históricas. Rio de Janeiro, Quartet, 2003.

SISS, A.; FERNANDES, A. P. C. A experiência da UFRRJ com a implementação do curso de aperfeiçoamento em educação das relações étnico-raciais: em favor de um protagonismo afro-brasileiro na educação básica. REPECULT - Revista Ensaios e Pesquisas em Educação e Cultura [online], Rio de Janeiro, n. 1, p. 24-35, 2016.

SOUZA, A. C. de. Resenha: MOURA, C. R. O Instituto Rio Branco e a diplomacia brasileira: um estudo de carreira e socialização. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 49, n. 2, p. 803-13, jul./dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ra/v49n2/12.pdf.

TELLES, E. Racismo à brasileira. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

VALENTIM, D. F. Ex-alunos negros cotistas da UERJ: os desacreditados e o sucesso. Rio de janeiro: Quartet/Faperj, 2012.

WAGLEY, C. Race et classe dans le Brésil rural. Paris: UNESCO, 1952.

 

 




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/serie-estudos.v24i50.1172

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2318-1982 
ISSN impresso: 1414-5138 (até n.34, jul./dez.2012)

 

 


Indexada em: