Sêneca: o papel do sábio na formação da humanidade

  • José Joaquim Pereira Melo Universidade Estadual de Maringá

Resumo

Propõe-se com o presente artigo proceder a algumas reflexões sobre a proposta de educação de Sêneca e o papel que, nela, ele atribui ao sábio. Situando Sêneca em seu momento histórico, quando o romano se considerava um porta-voz da universalidade humana, procura-se detectar o processo de pensamento que o levou a conceber o sábio como o homem ideal para se dedicar à educação da humanidade. Segundo Sêneca, as verdades encontradas e acumuladas na sua caminhada rumo à perfeição qualificam-no para exercer esse magistério. Assim sendo, o sábio, ponto culminante da dinâmica formativa e maior estágio de aperfeiçoamento alçado pelo homem, deveria abandonar as demais atividades civis e públicas para se tornar o referencial educacional dos homens em busca da virtude e da perfeição.

Biografia do Autor

José Joaquim Pereira Melo, Universidade Estadual de Maringá
Doutor em História, professor do Departamento de Fundamentos da Educação e do Programa de Pós-Graduação
em Educação da Universidade Estadual de Maringá.

Referências

ALMEIDA PRADO, Anna Lia Amaral de. Apontamentos para um estudo sobre a moral de Sêneca nas Epistolae ad Lucilium. Anuário de 1946-47. São Paulo: Faculdade de Filosofia do Instituto “Sedes Sapientiae” da Universidade Católica de São Paulo, 1946-47. p. 159-170.

CAMBI, Franco. História da Pedagogia. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

GARCÍA GARRIDO, J. L. La filosofía de la educación de Lucio Annaeo Séneca. Madrid: Editorial Magisterio Español, 1969.

LI, William. Introdução. In: SÊNECA. Sobre a brevidade da vida. São Paulo: Nova Alexandria, 1998.

OLIVEIRA, Luizir de. Sêneca, a vida na obra: uma introdução à noção de vontade nas epistolas a Lucílio.{s.d.} Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 1998.

REALE, Giovanni. História da Filosofia Antiga. v. IV. São Paulo: Loyola, 1994.

REDONDO, Emilio; LASPALAS, Javier. Historia de la Educación: Edad Antigua. Madrid: Dykinson, 1997.

SANTOS SILVA, Marilda Evangelista dos. Sêneca, o humanista. Calíope. Rio de Janeiro, Faculdade de Letras, UFRJ, ano I, n. 1, p. 87-94, jul/dez, 1984.

SÊNECA, Lúcio Aneu. Cartas a Lucílio. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1991.

_____. Sobre a brevidade da vida. São Paulo: Nova Alendria, 1996.

_____. Sobre a tranqüilidade da alma. São Paulo: Nova Alexandria, 1998.

_____. Sobre o ócio. São Paulo: Nova Alexandria, 1998.

SHOPKE, Regina. Apresentação. In: SÊNECA. Aprendendo a viver. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ULLMANN, Reinholdo Aloysio. O estoicismo romano. Porto Alegre: Edipucrs, 1996.

Publicado
2013-09-04
Seção
Artigos