Implicações do novo ENEM na perspectiva dos Professores de Matemática do ensino médio

  • Walderez Soares Melão Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Maria Tereza Carneiro Soares Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Resumo

Esta pesquisa pretende compreender as implicações do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) notrabalho do professor de matemática do ensino médio e identificar em que medida essas implicaçõesconduzem o trabalho em sala de aula para acontecer em consonância com a matriz de referência doENEM e em detrimento da matriz curricular do ensino médio. Para isso é necessário levantar questionamentosa respeito da motivação para a realização desses exames, de investigar o rol de influências naelaboração das matrizes que orientam a elaboração das provas e de discutir a quem servem os resultadosnos diversos âmbitos da sociedade. As análises vão acontecer nas fronteiras entre currículos, avaliaçãoem larga escala e formação de professores. No texto final desta pesquisa, pretendemos esboçar umanoção de responsabilidade curricular com relação à matemática escolar.

Biografia do Autor

Walderez Soares Melão, Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educaçãoda Universidade Federal do Paraná (UFPR). BolsistaIEPAM-CAPES/INEP/SECAD.
Maria Tereza Carneiro Soares, Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Professora no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Referências

BRASIL. Lei n. 9394, de 20.12.96. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário da União, ano CXXXIV, n. 248, 23.12.96.

______. Ministério da Educação. Secretaria de educação superior. Portaria normativa n. 2, de 26 de janeiro de 2010. 10 p.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio. Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 2006. 135 p. v. 2.

BOURDIEU, P. (Coord). A miséria do mundo. Vários tradutores. Petrópolis, RJ. Vozes, 1997.

FORQUIN, J. C. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1993.

FREITAS, L. C. Políticas educacionais e as avaliações em larga escala no Brasil: o próximo estágio. In: SEMINÁRIO SOBRE OS IMPACTOS DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS NAS REDES ESCOLARES (SIPERE), 1., 2011, Curitiba. Palestra de abertura.16-18 junho 2011.

GARCIA, R. L.; MOREIRA, A. F. B. Começando uma conversa sobre currículo. In: GARCIA, R. L.; MOREIRA, A. F. B. (Orgs.). Currículo na contemporaneidade: incertezas e desafios. São Paulo: Cortez, 2008.

MOREIRA, A. F. B. Reflexões sobre o currículo a partir da leitura de um livro para crianças. Revista Química Nova na Escola, n. 9, 1999b. p. 23-27.

MOREIRA, A. F. B.; SILVA, T. T. Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In: MOREIRA, A. F. B.; Silva, T. T. (Orgs.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 2001.

SILVA, J. M. M. Vestígios de Investigações sobre currículo e formação de Professores. In: GONÇALVES, Luiz Alberto de Oliveira. Currículo e políticas públicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2003a.

SILVA, T. T. Alienígenas na sala de aula. Uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

______. Identidades terminais: as transformações na política da pedagogia e pedagogia da política. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

______. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2003.

Publicado
2013-05-31
Seção
Artigos