Apresentação do Dossiê

Palavras-chave: Currículo, políticas educacionais, gênero, sexualidade.

Resumo

As políticas curriculares e os currículos são radicalmente atravessados por lógicas de produção de subjetividades engendradas e sexualizadas. São articulações discursivas elaboradas continuamente através de negociação com outros discursos e foros – escolas, secretarias, ministérios, academia, comunidades disciplinares, agências multilaterais, mercado, movimentos sociais, mídia, religiões etc. – locais de construção, multiplicação, tensionamento e deslocamento de sentidos sobre gênero e sexualidade. No Brasil, mormente na primeira década do século XXI, observou-se a emergência de políticas pautadas num novo dispositivo ou regime de sexualidade ancorado em torno dos direitos humanos, sexuais e reprodutivos (CARRARA, 2015) que, entre outros aspectos, investem no fomento à pesquisa, produção de materiais didáticos e formação docente sobre equidade de gênero e enfrentamento à LGBTfobia. Nos últimos anos, entretanto, surge um cenário político-discursivo fortemente articulado a lógicas econômicas ultraliberais e ao fundamentalismo religioso que evoca a desigualdade social como corolário da “meritocracia”, os direitos humanos como meio para proteger pessoas com “comportamentos antissociais” e a educação escolar pública como instrumento de “doutrinação” (MIGUEL, 2016). Este dossiê é constituído por sete artigos produzidos por pesquisadoras e pesquisadores de diferentes instituições, regiões, trajetórias pessoais e tradições teórico- metodológicas, investe na análise crítica e contestação de discursos e projetos que, através da disseminação do pânico moral (RUBIN, 1993), da racionalidade cínica (SAFATLE, 2008) e da estigmatização dos estudos de gênero e sexualidade (CORREIA, 2018; JUNQUEIRA, 2018), miram a invisibilização dos problemas e o silenciamento das vozes que discutem e questionam os processos de produção e negociação dos sentidos sobre gênero e sexualidade no campo da educação.

Biografia do Autor

Anna Luiza A R Martins de Oliveira, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutora em Educação, mestre e graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Associada do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGEdu) da UFPE, líder do Grupo de Pesquisa (CNPq) "Discurso, subjetividade e educação" e membro da Associação Brasileira de Currículo (ABdC).

Referências

BURMAN, Erica. Developments: child, image and nation. London and New York: Routledge, 2008.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CARRARA, Sérgio. Moralidades, racionalidades e políticas sexuais no Brasil contemporâneo. Mana, Rio de Janeiro, n. 21, v. 2, p. 323-45, maio/ago., 2015.

CORREIA, Sônia. A “política do gênero”: um comentário genealógico. Cadernos Pagu. Campinas, n. 53, jun. 2018.

FRANGELLA, Rita de Cássia Prazeres. Do silêncio e seus sons: “diferenças” na Base Nacional Comum Curricular. In: LOPES, Alice Casimiro; OLIVEIRA, Anna Luiza A. R. Martins; OLIVEIRA, Gustavo Gilson Sousa. Os gêneros da escola e o (im)possível silenciamento da diferença. Recife: Ed. UFPE, 2018.

HALBERSTAM, Jack. El arte queer del fracaso. Madrid: Egales, 2011.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. A invenção da “ideologia de gênero”: a emergência de um cenário político-discursivo e a elaboração de uma retórica reacionária antigênero. Psicologia Política, São Paulo, v. 18, n. 43, p. 449-502, 2018.

MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à “ideologia de gênero”: Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Direito & Praxis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 590-621, jul./ago. 2016.

OLIVEIRA, Anna Luiza Araújo Ramos Martins; OLIVEIRA, Gustavo Gilson Sousa. Curriculum Policies of Gender and Sexuality in Brazil. Transnational Curriculum Inquiry, v. 16, n. 1, p. 38-60, 2019.

RUBIN, Gaule. Thinking Sex: notes for a radical theory of the politics of sexuality. In: ABELOVE, Henry; BARALE, Michèle; HALPERIN, David (Org.). The lesbian and gay studies reader. Nova York: Routledge, 1993.

SAFATLE, Vladimir. Cinismo e falência da crítica. São Paulo: Boitempo, 2008.

SEDGWICK, Eve. Tocar la fibra: afecto, pedagogía, performatividad. Madrid: Alpuerto, 2018.

Publicado
2019-12-04
Seção
Dossiê: Gênero e Sexualidade: lutas no currículo em tempos de novos mapas políticos e culturais