Formação cidadã para contrapor-se às práticas de consumo no século XXI

  • Neusa Maria John Scheid Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI http://orcid.org/0000-0003-1638-6019
  • Arnaldo Nogaro Universidade Regional Integrada do Alto Uurguai e das Missões - URI
Palavras-chave: formação cidadã, consumo, educação.

Resumo

O artigo objetiva aprofundar a relação entre formação cidadã e práticas de consumo. Resulta de pesquisa na literatura e ampara-se em marcos legais brasileiros e autores como Bauman (2007, 2008, 2009), Cardia e Bastos (2005), Reis (2009, 2013), dentre outros. O intuito é problematizar a respeito da função e responsabilidade da escola em propiciar uma educação de envergadura crítica e emancipadora que resulte em formação de cidadãos capazes de exercer a prerrogativa de questionar o mundo a partir dos saberes escolares. Dentre esses saberes, destacam-se os conhecimentos da área das Ciências Naturais que podem oferecer espaço para projetos interdisciplinares que oportunizem uma educação científica capaz de lançar luz na construção de uma consciência ambiental, lúcida, enquanto consumidores, capazes de agir de forma ativa e posicionar-se perante os apelos do mercado e do consumo.

Biografia do Autor

Neusa Maria John Scheid, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI
Docente dos Programas de Pós-Graduação em Educação e em Ensino Científico e Tecnológico da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões. Graduação em Ciências - Biologia, mestrado em Educação nas Ciências e Doutorado em Educação Científica e Tecnológica.
Arnaldo Nogaro, Universidade Regional Integrada do Alto Uurguai e das Missões - URI
Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI. Doutor em Educação.

Referências

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1968.

BAUMAN, Z. A arte da vida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

______. Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

______. Vida líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BENCZE, L. Comunicação pessoal. In: SEMINÁRIO: CITIZENSHIP, CONSUMERISM AND EDUCATION. Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal, 2014.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Seminário: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (versão inicial). Brasília, DF: Ministério da Educação, 2015.

______. Lei n. 11.105, de 24 de março de 2005. Dispõe sobre a Política Nacional de Biossegurança – PNB. Diário Oficial, Brasília, DF, 2005.

______. Ministério da Educação. Secretaria do Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, DF, 1997.

CARDIA, E.; BASTOS, F. A educação para o consumo e o ensino de ciências no Brasil. Interdisciplinaridade, cidadania e transversalidade. Tecne, Episteme y Didaxis, Bogotá D.C., n. 18, p. 74-83, 2005.

ESPERTO, A. P. A. A promoção da literacia científica e da cidadania através de ativismo fundamentado. 2013. 148f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2013.

GALVÃO, C. (Coord.). Ciências físicas e naturais: orientações curriculares – ensino básico, 3º ciclo. Lisboa: Ministério da Educação, jun. 2001.

GIROUX, H. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Tradução de Daniel Bueno. Porto Alegre: Artmed, 1997.

HILÁRIO, T.; REIS, P. Potencialidades e limitações de sessões de discussão de controvérsias sociocientíficas como contributos para a literacia científica. Revista de Estudos Universitários, Sorocaba, SP, v. 35, n. 2, p. 167-83, dez. 2009.

HODSON, D. Looking to the future. Building a curriculum for social activism. Toronto, Canadá: Sense Publishers, 2011.

______. Time for action: science education for an alternative future. International Journal of Science Education, v. 25, n. 6, p. 645-70, 2003.

KASTRUP, V. Novas tecnologias cognitivas: o obstáculo e a invenção. In: PELLANDA, N. M. C.; PELLANDA, E. (Org.). Ciberespaço: um hipertexto com Pierre Lévy. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2000.

KRASILCHICK, M.; MARANDINO, M. Ensino de ciências e cidadania. São Paulo: Moderna, 2004.

LINN, S. Crianças do consumo: a infância roubada. São Paulo: Instituto Alana, 2006.

MARTINS, I.; VEIGA, L. Uma análise do currículo da escolaridade básica na perspectiva da educação em ciências. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional (IIE), 1999.

MARTINS, I. Comunicação pessoal. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 16., 10-12 set. 2015, Lisboa, Portugal. Resumos... Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, 2015.

OLIVEIRA, A. M. Entre a instituição do consumo e a destituição docente: considerações em torno da crise do saber escolar no contemporâneo. Educação Unisinos, São Leopoldo, RS, v. 16, n. 1, p. 17-26, jan./abr. 2012.

REIS, P. Da discussão à ação sociopolítica sobre controvérsias sócio-científicas: uma questão de cidadania. Ensino de Ciências e Tecnologia em Revista, v. 3, n. 1, p. 1-10, jan./jun. 2013.

______. Ciência e controvérsia. REU, Sorocaba, v. 35, n 2, p. 9-15, 2009.

SANTOS, M. E. V. Que escola? Que educação? Para que cidadania? Em que escola? Alcochete, Portugal: Alfarroba, 2014.

______. Desafios pedagógicos para o século XXI. Suas raízes em fontes de mudança de natureza científica, tecnológica e social. Lisboa: Horizonte, 1999.

SOMMER, L. H.; SCHMIDT, S. Formação de professores e consumo: um debate necessário. Educação Unisinos, São Leopoldo, RS, v. 14, n. 3, p. 215-21, set./dez. 2010.

TASCHNER, G. Comunicação, sociedade e imaginário do consumo. Comunicação, mídia e consumo, São Paulo, v. 7, n. 20, p. 37-57, 2010.

WEISS, J. Razão, consumo e sustentabilidade: o que a educação tem com isso? In: ZAKRZEVSKI, S. B.; BARCELOS, V. Educação ambiental e compromisso social: pensamentos e ações. Erechim, RS: EDIFAPES, 2004. p. 305-15.

XAVIER, L. N.; OLIVEIRA, G. L.; GOMES, A. A.; MACHADO, M. F. A. S.; ELOIA, S. M. C. Analisando as metodologias ativas na formação dos profissionais de saúde: uma revisão integrativa. SANARE - Revista de Políticas Públicas, Sobral, CE, v. 13, n. 1, p. 76-83, jan./jun. 2014.

ZEICHNER, K. M. A formação reflexiva dos professores: idéias e práticas. Lisboa, Portugal: Educa, 1993.

Publicado
2017-07-28
Seção
Artigos