“Nova” Política Nacional de Formação de Professores com residência pedagógica: para onde caminha o estágio supervisionado?

  • Osmar Hélio Alves Araújo Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) - Instituto de Ciências Humanas - Faculdade de Ciências da Educação (FACED) http://orcid.org/0000-0003-3396-8205
Palavras-chave: Estágio supervisionado. Residência pedagógica. Práxis. Formação docente.

Resumo

Este artigo insere-se na temática da “nova” Política Nacional de Formação de Professores com Residência Pedagógica regulamentada no governo de Michel Temer. O objetivo foi problematizar os desdobramentos do Programa de Residência Pedagógica no estágio supervisionado. Abordam-se documentos oficiais que, a partir de 2018, foram exarados para orientar e regulamentar o Programa de Residência Pedagógica, considerando-se, particularmente, os editais Capes n. 6/2018 e n. 7/2018. Evidenciou-se que o estágio supervisionado foi posto em lugar estratégico e atrelado a uma perspectiva de aperfeiçoamento e reformulação, visando, sobretudo, à institucionalização da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e do currículo padronizado para viabilizar os testes nacionais. Em jogo está a desarticulação entre o processo pedagógico da escola básica, o cenário social-político e histórico brasileiro e a formação dos professores.

Biografia do Autor

Osmar Hélio Alves Araújo, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) - Instituto de Ciências Humanas - Faculdade de Ciências da Educação (FACED)

Doutor em Educação, pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestre em Educação, pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor Adjunto A da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) – Instituto de Ciências Humanas – Faculdade de Ciências da Educação (FACED). Integra o grupo de pesquisa cadastrado junto ao CNPq: Formação Docente, História e Política Educacional (GPFOHPE – UFC). Reúne experiência como professor da Educação Básica (Educação Infantil ao Ensino Médio), dos diversos cursos de licenciatura, supervisor educacional e professor formador dos professores da Educação Básica. Atualmente, tem se dedicado a estudos e pesquisas com foco na Pedagogia, Didática, estágio supervisionado, formação de professores; gestão, coordenação e organização pedagógica da escola básica

Referências

ADRIÃO, T. A privatização da Educação Básica no Brasil: considerações sobre a incidência de corporações na gestão da educação pública. In: ARAÚJO, L.; MARCELINO, J. (Org.). Público x privado em tempos de golpe. São Paulo: Fundação Lauro Campos, 2017. p. 16-37.

ADRIÃO, T.; PERONI, V. A formação das novas gerações como campo para os negócios? In: AGUIAR, M. A. S.; DOURADO, L. F. (Org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. [Livro Eletrônico]. Recife: ANPAE, 2018. p. 49-54. Disponível em: http://www.anpae.org.br/BibliotecaVirtual/4-Publicacoes/BNCC-VERSAO-FINAL.pdf. Acesso em: 12 jun. 2018.

ALMEIDA, M. I.; PIMENTA, S. G. Centralidade do estágio em cursos de Didática nas licenciaturas: rupturas e ressignificações. In: ALMEIDA, M. I.; PIMENTA, S. G. (Org.). Estágios supervisionados na formação docente. São Paulo: Cortez, 2014. p. 15-38.

ANASTASIOU, L. G. C. Ensinar, aprender, apreender e processos de ensinagem. In: ANASTASIOU, L. G. C.; PESSATE, L. (Org.). Processos de ensinagem na universidade. Joinville, SC: UNIVILLE, 2015. p. 15-44.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO (ANPED). A política de formação de professores no Brasil de 2018: uma análise dos Editais CAPES de Residência Pedagógica e PIBID e a reafirmação da resolução CNE/CP 02/2015. Rio de Janeiro, ANPED, 2018. Disponível em: http://www.anped.org.br/news/em-audiencia-no-cne-anped-e-entidades-de-pesquisa-repudiam-submissao-de-formacao-de-professores . Acesso em: 1º maio 2018.

ARAÚJO, O. H. A.; RODRIGUES, J. M. C. A formação contínua dos professores e as avaliações externas no contexto educacional brasileiro. Imagens da Educação, Maringá, PR, v. 8, n. 1, p. 1-13, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.4025/imagenseduc.v8i1.40831. Acesso em: 20 out. 2018.

ARAÚJO, O. H. A. Estágio supervisionado, profissionalização e profissionalidade docente. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 20, n. 58, jul./set. 2019a. Disponível em: https://doi.org/10.12957/teias.2019.39115. Acesso em: 27 set. 2019.

ARAÚJO, O. H. A. O estágio como práxis, a pedagogia e a didática: que relação é essa? Revista Eletrônica de Educação - REVEDUC, São Carlos, SP, [ahead of print], 2019b. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14244/198271993096. Acesso em: 27 out. 2019.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREITAS, H. C. L. De como MEC e CAPES impõem o aligeiramento da formação e a desprofissionalização dos professores. Formação de professores – Blog da Helena, 7 jul. 2018. Disponível em: https://formacaoprofessor.com/2018/03/07/de-como-mec-e-capes-impoem-o-aligeiramento-da-formacao-e-a-desprofissionalizacao-dos-professores/. Acesso em: 8 jun. 2018.

FREITAS, H. C. L. PNE e formação de professores: contradições e desafios. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 8, n. 15, p. 427-46, jul./dez. 2014. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/451. Acesso em: 8 jun. 2018.

FREITAS, H. C. L. A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 28, n. 100 – Especial, p. 1203-30, out. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302007000300026&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 8 jun. 2018.

GAARDER, J. O mundo de Sofia. Lisboa: Presença, 1996.

GONÇALVES, S. R. V. Interesses mercadológicos e o “novo” ensino médio. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 131-45, jan./jun. 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v11i20.753. Acesso em: 30 maio 2018.

GUZZO, R. S. L.; EUZÉBIOS FILHO, A. E. Desigualdade social e sistema educacional brasileiro: a urgência da educação emancipadora. Escritos sobre Educação, Ibirité, MG, v. 4, n. 2, p. 39-48, dez. 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-98432005000200005. Acesso em: 4 jun. 2018.

KRAWCZYK, N.; FERRETTI, C. J. Flexibilizar para quê? Meias verdades da “reforma”. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 33-44, jan./jun. 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v11i20.757. Acesso em: 4 jun. 2018.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

LIMA, M. S. L.; PIMENTA, S. G. Uma proposta conceitual e metodológica para a formação contínua de professores. In: LIMA, M. S. L. (Org.). A hora da prática: reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. 2. ed. rev. aum. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2001. p. 115-21.

LIMA, M. S. L. Estágio e aprendizagem da profissão docente. Brasília: Liber Livro, 2012.

MARTINS, E. S. Formação contínua e práticas de leitura: o olhar do professor dos anos finais do ensino fundamental. 2014. 191f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

MOLL, J. Reformar para retardar. A lógica da mudança do EM. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 33-44, jan./jun. 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v11i20.771. Acesso em: 4 jun. 2018.

NÓVOA, A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 166, p. 1106-33 out./dez. 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/198053144843. Acesso em: 18 jun. 2017.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

PANIAGO, R. N.; SARMENTO, T. J. O processo de estágio supervisionado na formação de professores portugueses e brasileiros. Revista Educação em Questão, Natal, RN, v. 53, n. 39, p. 76-103, maio/ago. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/8521. Acesso em: 4 jun. 2018.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2017.

RIBEIRO, L. T. F.; ARAÚJO, O. H. A. O estágio supervisionado: fios, desafios, movimentos e possibilidades de formação. RIAEE Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, v. 12, n. 3, p. 1721-35, jul./set. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.3.2017.10280. Acesso em: 13 jun. 2018.

SANT’ANNA, N. F. P.; MATTOS, F. R. P.; COSTA, C. S. C. Formação continuada de professores: a experiência do Programa de Residência docente no Colégio Pedro II. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 31, n. 4, p. 249-78, out./dez. 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698139566. Acesso em: 14 jun. 2018.

ZEICHNER, K. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Educação, Santa Maria, RS, v. 35, n. 3, p. 479-504, set./dez. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/2357. Acesso em: 4 jun. 2018.

Publicado
2019-12-04
Seção
Artigos