História e memória do percurso educativo de Célia Goiana

Palavras-chave: práticas educativas, biografia, educação, memória.

Resumo

O objetivo foi compreender as práticas educativas, leituras e representações que eram tecidas pela educadora Célia Goiana, uma professora cearense que participou ativamente do processo educativo do estado. O percurso metodológico utilizado na pesquisa foi a história oral biográfica, com ênfase na trajetória formativa e educativa. A entrevista híbrida, gravada, transcrita, textualizada e validada foi utilizada como fonte primária e associada a outras fontes secundárias – documentos pessoais, prêmios e fotos – com o intuito de desvelar os meandros pertinentes à história e à memória da educação no Ceará na primeira metade século XX. Os resultados demonstraram que Célia Goiana foi uma educadora à frente de seu tempo, pois rompeu paradigmas sociais ao se dedicar à educação e contrariar os anseios de seus pais, que pretendiam formar uma filha médica, principalmente quando atuou nas classes menos favorecidas, mesmo possuindo uma formação educativa elitizada. Ela se dedicou com afinco à profissão docente, atuando na educação infantil, com alfabetização de crianças; no ensino fundamental, com escolas em comunidades carentes e em colégios mais elitistas; e no nível superior, com formação de profissionais para o magistério. Nesse nível de educação, consagrou-se personagem de referência para a história do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Ceará; suas memórias imortalizam não apenas a história do curso, mas da própria instituição, que não possuía o cuidado de arquivar documentos.

Biografia do Autor

Lia Machado Fiuza Fialho, Universidade Estadual do Ceará - UECE
Professora Adjunta do Centro de Educação da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Docente do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE/UECE)
Scarlett O'hara Costa Carvalho, Universidade Estadual do Ceará
Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará. Bolsista CAPES. Integrante do grupo de pesquisa "Práticas Educativas, Memória e Oralidades".

Referências

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1978.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BURKE, P. (Org.). A escrita da história. São Paulo: Unesp, 1992.

CERTEAU, M. A escrita da história. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1988.

FERREIRA, M. M.; AMADO, J. Usos & abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

FIALHO, L. M. F. Biografia de um jovem traficante: brigas de gangues e homicídios em série. Fortaleza: Edições UFC, 2015.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas, SP: Unicamp, 2008.

LORIGA, S. O pequeno x da biografia à história. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

MACHADO, C. J. S. M. A dimensão da palavra: práticas de escrita de mulheres. João Pessoa, PB: UFPB, 2005.

MALUF, M.; MOTT, M. L. Recôndito do mundo feminino. In: SEVCENKO, N. (Org.). República: da belle époque à era do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 368-421. (História da vida privada no Brasil, 3).

MEIHY, J. C. S. B.; HOLANDA, F. História oral: como fazer como pensar. São Paulo: Contexto, 2007.

MEIHY, J. C. S. B.; RIBEIRO, S. L. S. Guia prático da história oral. São Paulo: Contexto, 2011.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

SILVA, K. V. Dicionário de conceitos históricos. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

TURATO, E. R. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

XAVIER, A. R. Joana Paula de Morais (1900-1963): história, memória e trajetórias educativas. Fortaleza: Imprece, 2014.

Publicado
2017-07-28
Seção
Artigos